Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 108 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 108 (November 2020)
181
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.182
Open Access
MUDANDO O PARADIGMA NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA
Visits
...
T.F. Souza, J.P.M. Gomes, G.D. Croo, L.P.C. Alves, L.I. Melo, V.E.F. Filho, F.T.H. Queiroz, P.H.S. Lopes
Escola de Medicina Souza Marques, Fundação Técnico Educacional Souza Marques, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Esse trabalho tem como objetivo analisar e revisar de forma integrativa literaturas acerca da repercussão do uso, principalmente, do Venetoclax em combinação ao Obinutuzumab no tratamento da leucemia linfocítica crônica. Materiais e métodos: O presente trabalho trata-se de uma revisão de literatura acerca dos novos tratamentos na LLC. Foi utilizada a base de dados eletrônicas PubMed e SciELO. A pesquisa abrange os trabalhos recentes publicados no ano de 2019 e 2020 utilizando como descritores: “CLL”, “Therapy”. Resultados: A LCC é o tipo de leucemia mais comum no Ocidente e mais de 80% dos casos apresentam aberrações cromossômicas como, por exemplo, a deleção (13q) correspondendo 55% e a deleção (17p) 8%. A maior parte dos acometidos pela LLC com del(17p) tem prognóstico ruim, com dificuldade da abordagem terapêutica pela quimioterapia, dessa forma o uso de novas terapias tornou-se uma importante estratégia. Nesse contexto, destacou-se o Venetoclax que apresenta menor toxicidade hematológica em comparação com outros medicamentos de sua classe. A terapia como agente único ou em conjunto ao medicamento Obinutuzumab, para o tratamento da LLC tem se mostrado mais eficaz e preciso do que os tratamentos atuais, apresentando respostas promissoras, com elevada taxa de sobrevida, e de livre de progressão.Estudos verificaram, também, a eficácia da monoterapia e da associação venetoclax-rituximab em pacientes com LLC recidivante ou refratária e foram constatadas altas taxa de resposta e de completa remissão, além de doença residual mínima detectável no sangue e na medula óssea em alguns pacientes. Nesses, também são percebidos bons valores de sobrevivência livre de progressão e de duração da resposta, entretanto, as respostas menos duradouras, nesse caso, têm relação com alguns fatores pré-tratamento. Discussão: A LLC é uma neoplasia resultante da proliferação de linfócitos B maduros na medula óssea. O avanço de pesquisas propiciou uma metodologia de tratamento mais objetiva, que está revolucionando permanentemente o cenário terapêutico de agentes quimioterápicos. A monoterapia com venetoclax, inibidor de pequenas moléculas por via oral seletivo do linfoma de células (BCL-2), alcança resultados promissores, no entanto, a associação com outros fármacos é necessária, principalmente, quando a doença não respondeu completamente ao tratamento. Um estudo mais recente, ainda em fase inicial, mostrou superioridade do tratamento com venetoclax-rituximab em relação ao tratamento com venetoclax-obinutuzumab, podendo ser essa umaassociação interessante a ser considerada. O único fator genético que possui correlação com melhor taxa de resposta e completa remissão com a monoterapia com venetoclax é a presença do del(13q). Outras importantes informações são que os pacientes com recidiva de LLC que alcançam doença residual mínima detectável no tratamento com venetoclax têm a resposta mais prolongada e que respostas menos duráveis possuem correlação com alguns fatores pré-tratamento, como adenopatia volumosa e refratariedade ao tratamento com BCRi, mutações dos genes TP53 e do NOTCH1. Conclusão: Conclui-se que estes novos tratamentos representam uma inovação nas opções de terapêutica para pessoas com LLC. Sendo assim, o surgimento destes novos medicamentos têm mudado o paradigma no tratamento desta doença, cuja eficácia clínica é promissora para o tratamento de diversas neoplasias hematológicas e de células B.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools