Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 29 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 29 (November 2020)
46
Open Access
ANEMIA FALCIFORME E HEMOGLOBINOPATIA SC: HETEROGENEIDADE NO PERFIL HEMOLÍTICO
Visits
...
E.D.C. Santosa, I.G.S. Quadrosb, S.P. Carvalhoc, S.C.M.A. Yahouedehouc, L.C.G.C. Luiza, J.R.D. Ferreirad, E.V. Adornod, T.C.C. Fonsecaa,b, M.S. Gonçalvesc, M.M. Aleluiaa
a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA, Brasil
b Centro de Referência em Doença Falciforme de Itabuna (CERDOFI), Itabuna, BA, Brasil
c Laboratório de Investigação em Genética e Hematologia Translacional (LIGHT), Instituto Gonçalo Moniz (IGM), Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, BA, Brasil
d Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

A doença falciforme (DF) é uma desordem genética caracterizada pela presença da hemoglobina S (HbS), em homozigose (HbSS), se constitui a anemia falciforme (AF) e, heterozigose em associação com hemoglobina C, é definida por hemoglobinopatia SC (HbSC). A fisiopatologia da DF é constituída por mecanismos variáveis entre os genótipos, constituindo variabilidade de manifestações clínicas. Nesse contexto, a úlcera de perna, lesão cutânea na região maleolar, tem sido caracterizada por quadro hemolítico intenso. Em contrapartida, a retinopatia, vaso-oclusão em microvasos da retina, decorre de quadro hemolítico discreto. Diante do exposto, esse estudo objetivou avaliar biomarcadores associados ao perfil hemolítico entre pacientes com AF e HbSC. Esse estudo de corte transversal descritivo foi realizado no Centro de Referência a Doença Falciforme de Itabuna, Bahia, no período de julho a novembro de 2019. Os pacientes incluídos nessa casuística foram diagnosticados com DF (AF ou HbSC) e estavam em estado estável, fora de terapia transfusional. Após a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, foram coletados 15mL de sangue periférico, seguindo para análise a partir dos analisadores automatizados SYSMEX KX21 e COBAS para os seguintes biomarcadores: hemácias, hemoglobina (Hb), hematócrito, reticulócitos absoluto, bilirrubina total e frações, lactato desidrogenase (LDH), aspartato aminotransferase (AST/TGO) e ácido úrico. As análises estatísticas foram realizadas no programa SPSS versão 20.0 e os valores de p<0,05 foram considerados significativos. Nesse estudo foram incluídos 58 pacientes com DF, sendo 26 pacientes com AF e 32 com HbSC. As análises demonstraram quadro hemolítico predominante em pacientes com AF: hemácias (106/μL) 2,46±0,66 (p ≤ 0,001); hemoglobina (g/dL) 8,05±2,38 (p ≤ 0,001); hematócrito (%) 25,5±6,81 (p ≤ 0,001); reticulócitos absoluto 84.053±55317 (p=0,001); LDH (U/L) 793,27±376,34 (p ≤ 0,001); bilirrubina total (mg/dL) 2,97±2,78 (p=0,003); bilirrubina indireta (mg/dL) 2,40±2,13 (p=0,003); AST/TGO (U/L): 54,88±40,27 (p=0,002). De modo complementar, as análises demonstraram que todos os biomarcadores hemolíticos, incluindo o ácido úrico, em conjunto, estão associados ao desenvolvimento de úlceras de perna, lesão cutânea predominante em pacientes com AF, (R2=37,7; p=0,002). A variabilidade entre as taxas hemolíticas da DF conduzem à ampla variedade de manifestações clínicas entre indivíduos com AF e HbSC. Nesse contexto, a AF tem sido associada à hemólise frequente e complicações clínicas correspondentes, como úlceras de perna. Em contrapartida, a HbSC tem sido associada a níveis aumentados de hemácias e hemoglobina com poucas taxas de hemólise, favorecendo a prevalência de complicações clínicas, como retinopatia. Dessa forma, o presente estudo reforça a heterogeneidade do perfil hemolítico entre os diferentes genótipos da DF, constituindo característica importante para predição de complicações clínicas.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools