Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 82 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 82 (November 2020)
136
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.137
Open Access
PREVALÊNCIA DA DOENÇA HEMOLÍTICA DO FETO E DO RECÉM-NASCIDO NO ESTADO DA BAHIA: ANÁLISE DO PERÍODO DE 2011 A 2020
Visits
...
A.V.C. Codeceira, A.R. Alves, F.M. Reis, F.M.N. Souza, J.M.C. Oliveira, M.A. Gomes, M.B. Silva, N.B.A. Miranda, P.S. Garcia, U.J.G. Júnior
Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Descrever as internações hospitalares por doença hemolítica do feto e do recém-nascido na Bahia, através da lista de morbidade do CID-10 (CID-10–P55), no período de janeiro de 2011 a maio de 2020, quanto aos custos de hospitalização, características sociodemográficas e mortalidade. Material e métodos: Trata-se de um estudo ecológico e transversal, de análise quantitativa, cuja fonte de dados foi o Sistema de Morbidade Hospitalar (SIH-SUS). Resultados: Foram registradas 3.472 internações por doença hemolítica do feto e do recém-nascido no estado da Bahia no período, com crescimento de 59% entre 2011 e 2019, e o valor médio por internamento foi de R$ 457,96. O tempo médio de permanência nas internações foi de 5,6 dias, com aumento de 3,6% até maio de 2020. Ocorreram 9 óbitos pela doença no período estudado, dos quais 56% foram do sexo masculino, e a taxa de mortalidade foi de 0,26 óbitos/100 internações. Além disso, 52% das internações foram de indivíduos do sexo feminino e 56% da cor/raça parda. Discussão: A doença hemolítica do feto e recém-nascido se caracteriza por um quadro clínico chamado de hemólise que é a degeneração ou destruição dos seus glóbulos vermelhos ocasionados por ações dos anticorpos pertencentes à mãe devido a incompatibilidade do fator Rh. Tem como principais achados clínicos: inchaço, palidez ou com a pele ictérica (causado pelo aumento súbito da bilirrubina), além de poder ter o fígado ou o baço aumentados e anemia. O tratamento se faz a partir de transfusões para o feto durante a gestação e após a gestaçao. Com os levantamentos dos dados foi mostrado um aumento em 59% dos casos de internação, no qual, pode ser explicado por um avanço no diagnóstico, e o aumento das notificações. Os dados que diferenciam as internações por sexo não são significativas já que a doença não se relaciona diretamente com essa variável. Já os dados relativos aos óbitos demonstram que essa doença tem uma baixa taxa de mortalidade (0,26/100 habitantes), relacionada ao diagnóstico precoce e terapêutica eficaz. Além disso, observa-se que existe uma relação direta entre a diminuição de 68% na mortalidade com o aumento de 59% no número de internações entre o período analisado, mostrando que um suporte medico eficiente acarreta em uma melhor sobrevida neonatal. Conclusão: As estratégias de diminuição das internações relacionadas à anemia hemolítica do feto e recém-nascido relacionam-se diretamente ao diagnóstico precoce, para, dessa forma, montar um plano de ação a fim de controlar a hemólise e conter o desenvolvimento da icterícia. Logo, um acompanhamento pré-natal com prevenções primarias mostram-se eficientes e necessárias.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools