Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 344 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 344 (November 2020)
573
Open Access
ISOIMUNIZAÇÃO NA ERITROBLASTOSE FETAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA
Visits
...
E.Y.K. Ueda, L.P. Silva, C.N. Santiago, L.S. Valença, L.M. Gobato, E.D.S.L. Franco, L.A. Silva
Escola de Medicina Souza Marques da Fundação Técnico-Educacional Souza Marques, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Analisar os fatores de risco para o desenvolvimento dessa doença, assim como as possibilidades de intervenção na eritroblastose fetal, buscando compreender a permanência dos altos índices da doença no Brasil e entender quais seriam os melhores tratamentos possíveis a serem aplicados dentro do Sistema Único de Saúde. Materiais e métodos: um estudo descritivo à respeito da isoimunização na eritroblastose fetal no Brasil baseada em artigos científicos selecionados de 1998 a 2019. Foi feita a busca nas bases de dados: Scielo, Google Acadêmico, Fiocruz, Public Knowledge Project e Research Gate, um estudo realizado pela Universidade Federal da Bahia (2012), o Manual da Gestante de Alto Risco da FEBASGO (2011), um E-book “Biomedicina e Farmácia: Aproximações 3” (2019) e um artigo do Projeto Diretrizes –Associação Médica Brasileira e o Conselho Federal de Medicina (2011). As palavras chaves utilizadas para buscar os artigos foram: aloimunização Rh, doença hemolítica perinatal, transfusão intrauterina, eritroblastose fetal, anemia fetal e terapia fetal. Resultados: A revisão de literatura evidenciou uma baixa articulação da rede de atendimento pré-natal aliada à busca tardia por atendimento, levando à perda da estruturação do Programa de Prevenção da Aloimunização RhD, ademais, os fatores de proteção mais relevantes foram a imunoprofilaxia e o parto normal. Destacando-se a importância do diagnóstico precoce e tratamento rápido dos fetos comprometidos antes que evoluam para piora, além da necessidade de educação continuada dos profissionais de saúde, de um fluxo frequente de informações entre os serviços e de enfatizar a importância da imunoglobulina para as gestantes de risco. Assim, é explicado um número tão importante de casos dessa patologia, visto que ainda muitas gestantes não são beneficiadas com essa prevenção e, dessa forma, continuam a surgir novos casos todo ano no Brasil. Conclusão: Dessa forma, fica clara a necessidade de avanços na qualidade da assistência pré-natal e da melhora na comunicação entre a equipe de saúde e a gestante, de maneira que não seja perdida a oportunidade de uso da IgG em tempo adequado. Evitar a hidropsia fetal é conveniente para melhora do resultado perinatal e menor risco de comprometimento neurológico posterior. O ideal, do ponto de vista de saúde pública, é que a isoimunização materna possa ser reduzida ao mínimo pelo uso correto da imunoprofilaxia.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools