Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 80-81 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 80-81 (November 2020)
134
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.135
Open Access
IMUNOGLOBULINA HUMANA INTRAVENOSA: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO DE HEMATOLOGIA TRATANDO PACIENTES COM PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IMUNE
Visits
...
D.A.O. Bernal, D.M. Lourenço
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Descrever a eficácia e o perfil de efeitos adversos da imunoglobulina humana intravenosa (IGIV) em pacientes com púrpura trombocitopênica imune (PTI), assim como padronizar a infusão da IGIV com a intensão de adequar a ocupação de leito em hospital dia, evitando a hospitalização do paciente com PTI. Material e métodos: Estudo transversal, retrospectivo de analise de prontuário e entrevista telefônica, de todos os pacientes com diagnóstico de PTI que fizeram uso de IGIV e foram atendidos no hospital terciário, no período compreendido entre junho de 2016 até junho de 2019. Resultados: Dos 96 pacientes com diagnóstico de PTI, foram incluídos 19 pacientes (19.79%) que fizeram uso de IGIV em algum momento desde o diagnóstico, sendo 3 (15.79%) homens e 16 (84.21%) mulheres. A estratificação por idade foi realizada da seguinte forma: 18-30 anos (n=6, 31.58%), 31-40 anos (n=5, 26.32%), 41-50 anos (n=1, 5,26%), 51-60 anos (n=2, 10.53%) e >60 anos (n=5, 26.32%). A frequência dos eventos que levaram ao uso de IGIV em 65 ciclos é a seguinte: sangramento cutâneo-mucoso: 39 casos, sangramento vaginal: 12 casos, associados a gestação: 10 casos, hemorragia digestiva alta/baixa: 03 casos, preparo para esplenectomia: 02 casos, hematoma subdural crônico: 02 casos, sangramento oftalmológico: 02 casos, cirurgia ginecológica: 01 caso, glossectomia: 01 caso, e sangramento pós aspirado de medula óssea: 01 caso. Efeitos adversos observados, temos: cefaleia (04 pacientes), hipotensão arterial (03 pacientes), calafrios (03 pacientes), dor torácica (01 paciente), hipertensão arterial (01 paciente), 08 pacientes referiram não ter apresentado reações adversas e em 05 pacientes essa informação é desconhecida. Discussão: IGIV está consolidada como terapia em situações de urgência. Nossos dados corroboram o perfil de segurança, onde o efeito adverso mais frequente é a cefaleia e na maior parte deles são fenômenos considerados como leves. Com a intensão de fornecer melhores cuidados, mantendo a eficácia sem expor a maior toxicidade, apresentações de IGIV 10%, que apresenta menor volume, tem sido testada em diversos trabalhos permitindo um tempo de infusão mais rápido, o que se traduz em melhor qualidade de vida para os pacientes. Conclusão: A importância de retratar nossa experiência com uso de IGIV está em poder descrever a eficácia alcançada e o perfil de segurança na nossa prática, num contexto de saúde pública, onde o arsenal terapêutico é reduzido. Percebemos que existem oportunidades de melhoria como a opção de oferecer infusões mais rápidas em pacientes selecionados, algo que em um serviço superlotado permite um uso mais eficiente dos recursos.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools