Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 40-41 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 40-41 (November 2020)
65
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.066
Open Access
COMPARAÇÃO DO CONTROLE DE SOBRECARGA DE FERRO ENTRE REGIME DE TRANSFUSÃO DE TROCA MANUAL VERSUS ERITROCITAFÉRESE EM PACIENTES COM DOENÇA FALCIFORME
Visits
...
M. Sinche, L. Oliveira, P.P.F. Machado, T. Facincani, K.T. Maio, F.M. Nogueira, G.H.H. Fonseca, V. Rocha, Y. Nukui, S.F.M. Gualandro
Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A transfusão de troca na doença falciforme (DF) tem várias indicações predominando a prevenção primária e secundária do acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi). Pode ser feita por eritrocitaférese (ET) ou por troca manual (TM). Em comparação com a TM, a ET requer experiência em aférese, equipamentos especializados e acessos venosos adequados, o que limita seu uso. Além disso, as evidências quanto à maior eficácia da ET no controle da sobrecarga de ferro são controversas. Objetivo: Avaliar a eficácia da ET no controle de sobrecarga de ferro nos pacientes com DF em comparação à TM, através de indicadores secundários como ferritina, índice de saturação de transferrina e exames de imagem (ressonância magnética hepática). Métodos: Coleta retrospectiva de dados de 16 pacientes adultos com DF em programa de transfusão crônica (8 ET e 8 TM), de 2000 a 2019, seguidos no HC-FMUSP, utilizando a base de dados Prontmed. Os exames laboratoriais para controle de sobrecarga de ferro foram coletados sempre antes das transfusões. As comparações entre medianas foram feitas através do teste de Mann-Whitney, com valor de p significativo se<0,05. Resultados: O genótipo mais comum foi SS nos dois grupos (100% no grupo TM e 87% no grupo ET). 50% dos pacientes eram homens no grupo TM e 62,5% no grupo ET. A mediana de idade no grupo TM foi 29 (21-39) e 35 (28-56) anos no grupo ET. A mediana de concentrados de hemácias recebidos (CH) pré início de transfusão de troca no grupo TM foi 10 (0-188) e no grupo ET foi 40 (0-138). Após início do programa transfusional, a mediana de CH/ano no grupo TM foi 19 (17-26) e no grupo ET, 30 (11-36) (p=0.092). Profilaxia secundária de AVCi foi a causa mais frequente de transfusão nos dois grupos. Estavam usando quelante de ferro (deferasirox) 87% dos pacientes TM e 25% dos pacientes ET. 56% realizaram RNM hepática e 12,5% RNM cardíaca. As medianas de ferritina e IST antes do início das transfusões de troca eram 1421 (82–4747) e 51,8% (27-84%) no grupo TM, 823 (182–2786) e 65% (33-94%) no grupo ET. Após seu início, a mediana de ferritina e de IST, respectivamente, foram para 2101 (239-10937) e 68,3% (27-96%) no grupo TM; 1295 (107-3422) e 55,5% (26-95%) no grupo ET. A variação da mediana de ferritina foi, no grupo TM, +680, e no grupo ET, +472 (p=0.748). Já a variação de IST foi de +16,5% no grupo TM e -10,25% no grupo TE (p=0.802). Após o início das transfusões, três pacientes do grupo TM e um paciente do grupo ET apresentaram sobrecarga de ferro hepática acentuada na RNM, conforme protocolo de Rennes. Discussão: A transfusão de troca tem diversas indicações na DF, mas seu efeito colateral é a sobrecarga de ferro. Nosso estudo avaliou a eficiência no controle da sobrecarga de ferro nos pacientes submetidos a duas técnicas diferentes de transfusão de troca. Os indicadores secundários, como mediana de ferritina e de IST antes e após seu inicio, sugerem uma tendência a melhor controle no grupo ET, embora as diferenças não sejam significativas, talvez pelo tamanho amostral. Os pacientes em ET também apresentaram menor sobrecarga de ferro à RNM. Estudos prospectivos em grupos maiores são necessários para confirmar esses achados preliminares.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools