Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 202-203 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 202-203 (November 2020)
339
Open Access
AVALIAÇÃO DE TAXA DE RESPOSTA COMPLETA EM PACIENTES PORTADORES DE LINFOMA DE HODGKIN CLÁSSICO AO TÉRMINO DO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA BASEADO EM SCORE PROGNÓSTICO E PET (POSITRON EMISSION TOMOGRAPHY) INTERIM: ANÁLISE DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA
Visits
...
J.M. Almeida, R.T. Centrone, D.F. Dias, R.S.A. Silva, A.A. Silva, P.M.O. Teixeira, C.M. Campos, M. Bellesso, M.A.F. Aranha, K.S. Serafim
Instituto Hemomed de Oncologia e Hematologia, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Os dados epidemiológicos e de tratamento sobre Linfoma de Hodgkin são escassos no país, e em sua maioria oriundos dos serviços públicos de saúde. A estratificação de risco e a resposta completa obtida na ocasião do PET CT ínterim são duas ferramentas fundamentais no prognóstico. Objetivo: Análise retrospectiva de pacientes portadores de Linfoma de Hodgkin clássico diagnosticados e tratados no período de 01/01/2015 a 31/12/2019 quanto a taxa de resposta completa ao término da primeira linha de tratamento com esquema ABVD +/- radioterapia, considerando-se a estratificação ao diagnóstico e as taxas de resposta na ocasião do PET interim. Materiais e métodos: Foram analisados retrospectivamente, por utilização de template em prontuário eletronico do Instituto Hemomed de Oncologia e Hematologia, todos os pacientes com CID.10 c81. Foram incluídos pacientes com idade acima de 18 anos, que foram estratificados por critérios clínicos, estadimento Ann Arbor e marcadores laboratoriais e com seguimento por pelo menos 03 anos. Resultados: 41 pacientes foram elegíveis e 56% eram do sexo feminino. A mediana de idade ao diagnóstico foi de 32 anos. Referente ao estadiamento, 47.5% apresentaram estadio I ou II e 52.5% estadio III ou IV. 29% dos pacientes apresentaram massa Bulky, sendo 17% em estádios I ou II. Quanto à classificação, seguindo critérios da organização européia para a pesquisa e o tratamento de câncer (EORTC), 73% tinham doença avançada. Referente ao tratamento, pacientes receberam 4 a 8 ciclos de abvd com ou sem RDT. O PET-CT de estadiamento foi realizado em 70% e o pet interim em 82%. Dentre os pacientes com doença inicial, todos os que realizarm PET interim obtiveram resposta completa. Dos 30 pacientes de grupo avançado, 20 (66%) obtiveram resposta completa em PET interim, 1 (3,3%) paciente com doença estável, 2 (6,6%) pacientes progrediram, 4 (13,3%) pacientes obtiveram resposta parcial. A análise de resposta ao tratamento de acordo com classificação e pet interim mostrou que nos grupos iniciais todos os pacientes mantiveram resposta completa em PET ao término do tratamento. Já no grupo avançado, dos 20 (66%) pacientes que obtiveram resposta completa em PET interim, 18 (60%) mantiveram RC ao final do tratamento. O paciente que apresentou doença estável em PET interim também obteve RC em PETCT ao final. Por outro lado, dos 6 (20%) pacientes com resposta parcial ou progressão em PET interim, 5 (16,6%) não obtiveram resposta completa ao final do tratamento, sendo que para o sexto paciente o dado não está disponível. Conclusões: Para todos os pacientes em estadios iniciais, o protocolo ABVD +/- radioterapia proporcionou resposta completa já no PET interim e esse resultado se manteve no PET ao término do tratamento. Nos estágios avançados, o PET interim negativo foi preditor de resposta completa e o PET interim positivo foi preditor de falha do tratamento, mostrando ser ferramenta fundamental como fator prognóstico. O trabalho sugere que pacientes com PET interim positivo e estadio avançado devam ter mudança do protocolo terapêutico.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools