Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 333-334 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 333-334 (November 2020)
553
Open Access
TROMBOSE VENOSA PROFUNDA NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA: REVISÃO DE LITERATURA
Visits
...
J.F. Fernandesa, R.Q. Alcântaraa, B.C. Alvesa, I.C.B. Menezesa, R.J. Falcãoa, F.G.A. Saada, L.S.L. Assisa, V.B. Sarquesa, C.R.C. Medeirosb, R.A. Nevesa
a Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), Goiânia, GO, Brasil
b Universidade de Rio Verde (UniRV), Rio Verde, GO, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Avaliar profilaxia, abordagem terapêutica e complicações da trombose venosa profunda na população pediátrica. Material emétodos: Trata-se de revisão sistemática de literatura, dos últimos 5 anos, na base de dados PubMed com os descritores: “deep vein thrombosis AND children” e os filtros: “free full text, clincal trial, 5 years”. Foram excluídos 6 estudos dos 18 encontrados pora não se enquadrarem nos objetivos. Resultados: O uso de etexilato de dabigatrana (DE) para tromboembolismo venoso (TEV) pediátrico demonstrou efeitos adversos em pequena escala, sem gravidade em 17%, sem relatos hemorrágicos, TEV recorrente ou síndrome pós-trombótica (SPT) em Halton e colaboradores em 2020. Brandão e colaboradores em 2020 mostrou que apenas 2 pacientes (1,0%) tiveram recorrência de TEV, eventos hemorrágicos ocorreram em pequena escala e SPT foi relatada em 2 crianças (1,2%). Uso da bivalirudina em pacientes de seis meses a quatro anos causou resolução completa ou parcial do trombo em 16 pacientes (89%), sem outras complicações ou TVP recorrente. Afshari e colaboradores em 2015 apresentou semelhança de eficácia da heparina de baixo peso molecular (HBPM) e heparina não-fracionada (HNF) no tratamento de trombose do seio venoso cerebral (TSVC). Visando prevenir complicações decorrentes de cateteres venosos centrais (CVC), como a TEV, enfatizou-se monitoramento da resistência destes, por prever oclusões, e/ou a implantação de CVC inseridos perifericamente para melhores resultados. Discussão: Houve resultados positivos com uso de DE e bivalirudina no tratamento de TEV pediátrico. Entretanto, Halton e colaboradores em 2020 teve limitações como a confiança nas concentrações de DE e o tamanho da população, o que torna necessária avaliação adicional. Brandão e colaboradores em 2020 teve uma pequena amostra e devido ao perfil de risco diferente de crianças de 3 meses a 2 anos, os dados não são confiáveis para estes pacientes. Sobre a bivalirudina, estudos comparativos com a HNF devem ser feitos e sua concentração plasmática se correlaciona mal com tempo de tromboplastina parcial ativada, o que limita sua utilidade. Sobre HBPM e HNF, Afshari e colaboradores em 2015 concluiu que a eficácia de ambos na redução do déficit neurológico e incapacidade funcional em pacientes com TSVC são semelhantes. No entanto, Coutinho e colaboradores em 2015 teve melhor resultado no grupo HBPM, assim como Misra e colaboradores em 2015, mas o número de pacientes com recuperação completa não teve diferença significativa, como em Afshari e colaboradores em 2015. Todos os estudos que abordaram CVCs concluíram que proteção, curativo e monitoramento ideais fornecem contribuição importante para prevenção de falhas e complicações. Conclusão: O tratamento padrão para TEV pediátrico tem limitações, por isso, buscam-se novas terapias. Drogas como DE, bivalirudina, HBPM e HNF mostraram eficácia e segurança. Entretanto, os estudos têm limitações e alguns resultados discordaram da literatura, reforçando a necessidade de mais ensaios clínicos cegos randomizados com grupo placebo e maior amostra e tempo de tratamento. Ademais, as altas taxas de complicações associadas aos dispositivos de acesso venoso central sugerem inadequações na prática habitual.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools