Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 269-270 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 269-270 (November 2020)
448
Open Access
PAPEL DA SINALIZAÇÃO REDOX DE CÉLULAS TRONCO TUMORAIS NO DESENVOLVIMENTO DA QUIMIORESISTÊNCIA NO MIELOMA MÚLTIPLO
Visits
...
M.R. Garbima, S.T. Oliveiraa,b, M.E.F. Vasselaia,b, F.M. Alvesa,b, J.F. Silvaa,b, G.E.B. Oliveiraa, L.N.G.F. Martinsa,c, C. Panisa,b,d
a Laboratório de Biologia de Tumores, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, Brasil
b Liga Acadêmica de Oncologia Clínica e Cirúrgica e de Hematologia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, Brasil
c Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas a Saúde, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil
d Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas a Saúde, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Identificar e reunir informações sobre vias sinalizadoras do estresse oxidativo que impactam na quimiorresistencia dos pacientes com mieloma múltiplo (MM). Material e métodos: Foi realizado levantamento bibliográfico nas bases de dados eletrônica Pub Med e Scielo, utilizando as palavras-chaves: mieloma múltiplo, multiple myeloma, estresse oxidativo, oxidative stress e quimiorresistencia, chemoresistance. A pesquisa incluiu artigos nacionais e internacionais, sendo publicados a partir do ano de 2000. Resultados: Selecionou-se 12 artigos, com base em parâmetros pré-definidos: título do artigo, resultados encontrados e validade da conclusão. Discussão: A glutationa (GSH) é importante na manutenção do status redox intracelular em resposta à quimioterapia, além de envolver-se com a ligação e transporte dessas drogas. Por exemplo, linhagens celulares resistentes ao trioxido de arsênio (ATO) já demonstraram níveis intracelulares elevados desse antioxidante. Por outro lado, questiona-se quanto ao real papel da glutationa no MM, visto que a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS) em reposta ao tratamento com ATO não tem impacto na indução de apoptose em linhagens celulares ATO-resistentes. Por isso, sugere-se que talvez o papel principal do GSH seja de desintoxicação e não de montar uma defesa antioxidante. Além disso, não há alteração na via antioxidante Nrf2, relacionada a quimioresistencia, embora haja aumento “exposição-dependente” da expressão do gene que codifica a Glutationa sintetase (GSS), o que justificaria as mudanças nos níveis de glutationa e a quimioresistencia observadas na literatura. Outro objeto de estudo recente são as células tumorais secretantes de IL-6. Sabe-se que seus níveis elevados estão associados a maior agressividade e piores taxas de sobrevivência no MM. Nesse sentido, estressores oxidativos, tais como os raios ionizantes (radioterapia) e H202 ativam a transcrição do NF-κB e potencializam essa secreção parácrina pelo tumor. Sendo assim, considerando o microambiente medular como um local no qual há alta expressão de IL-6, a inibição da síntese dessa interleucina é essencial para que haja um efetivo tratamento radioterápico. Além disso, sob condições fisiológicas os ROS funcionam como moléculas de sinalização intracelular, sendo que as mediadas via ativação do NF-κB regulam o estado redox celular. Nesse sentido, um ambiente intracelular reduzido favorece a ativação do NF-κB e as mudanças no estado redox mediados pelo tratamento com TNF-α conseguem inibir a sua atividade. O TNF-α é importante na patogênese do MM, pois regula a expressão de moléculas de adesão induzidas pelo NF-κB nas células do mieloma e nas células-tronco da medula óssea, aumentando assim o crescimento e a sobrevivência das células tumorais secretoras de IL-6. Nesse quesito, o tratamento simultâneo com IL-6 e H202 aumentaram a atividade do NF-κB, enquanto a combinação do TNF-alfa com o H202 inibiu a atividade desse complexo proteico. No entanto, reconhece-se que ainda são necessários mais estudos para poder determinar como o TNF-alfa regula a ativação do NF-κB nas células do MM na presença de terapias que induzem o estresse oxidativo. Conclusão: Como o MM ainda é uma doença incurável, o aprofundamento nos estudos dessas vias encontradas se torna primordial para o desenvolvimento de novas estratégias de tratamento e sobrevivência.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools