Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 203-204 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 203-204 (November 2020)
340
Open Access
BRENTUXIMABE EM MONOTERAPIA PARA PACIENTE IDOSO COM LINFOMA DE HODGKIN RECIDIVADO: RELATO DE CASO
Visits
...
B.C. Boeira, G. Cattani, F.M. Aguiar, E.W. Silva, A.D. Ferrazza, B.D. Baldissera, G.L. Dendena, M.S. Machado, V.P.D. Badzinski, G.R. Bosi
Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O Brentuximabe Vedoitina (BV) é um conjugado anticorpo-fármaco direcionado ao CD30. É utilizado em pacientes adultos com Linfoma de Hodgkin (LH) estadio IV associado a AVD ou recidivado/refratário após Transplante de Células Tronco Hematopoiéticas (TCTH) autólogo ou após duas linhas de tratamento (quando o TCTH não for uma opção). Objetivo: Descrever o caso de um paciente frail apresentando recidiva tardia de LH e em tratamento com BV em monoterapia. Relato de caso: Paciente masculino, 71 anos, diabético, ex-etilista, tabagista pesado, portador de DPOC e insuficiência cardíaca, com histórico de LH celularidade mista diagnosticado há 7 anos. Na época, foi tratado com quimioterapia conforme protocolo ABVD por 5 ciclos, com resposta completa e tratamento suspenso devido à toxicidade cardíaca e pulmonar. Possui histórico de adenocarcinoma de pulmão tratado há 6 anos com lobectomia e quimioterapia. Iniciou com linfadenomegalias cervicais e inguinais associadas à suderose noturna e perda de 12 kg em 3 meses. À avaliação clínica, apresentou performance status 3. Realizou PET CT, que evidenciou linfadenomegalias hipermetabólicas em região axilar, cervical, inguinal e abdominal. Foi submetido à biópsia de linfonodo cervical (que não identificou achados de malignidade) e então à biópsia de linfonodo inguinal direito, que confirmou recidiva tardia de LH celularidade mista CD30 positivo, estágio IIIB. Iniciou tratamento quimioterápico com AVD com ajuste de dose, sendo contraindicado o uso de Bleomicina pelo histórico pulmonar. Após o primeiro ciclo de quimioterapia, no entanto, o paciente evoluiu com piora clínica importante. Como alternativa, foi iniciado BV em monoterapia a cada 3 semanas. Paciente já realizou 8 dos 16 ciclos de BV planejados, apresentando resposta completa após o terceiro ciclo, com melhora clínica significativa, ganho ponderal e sem intercorrências no período. Discussão: A maioria dos pacientes com LH entra em remissão após o tratamento inicial e alcança o controle completo da doença. Porém, até cerca de 30% dos pacientes com doença avançada podem sofrer recidivas. O objetivo do tratamento do LH recidivado deve ser o controle da doença a longo prazo, limitando a toxicidade e as complicações da terapia. Para pacientes não elegíveis ao TCTH, o tratamento pode envolver quimioterapia de agente único ou combinada. Embora ainda experimental, o uso de BV em monoterapia parece ser opção razoável no tratamento de idosos com LH recidivado ou refratário. A taxa de resposta objetiva é de 52,9% e a sobrevida global é de 21,7 meses. Em geral, o BV apresenta bom perfil de tolerância, e ainda que existam eventos adversos, esses costumam ser manejáveis. No caso relatado, o paciente não possuía indicação de bula para o BV, mas foi optado por esse tratamento em razão da toxicidade à quimioterapia e pelo perfil de eficácia e segurança do BV. Conclusão: Até o momento, não existe um tratamento padrão definido para pacientes idosos com LH refratário ou recidivado. O caso relatado demonstra resposta completa ao uso de BV em monoterapia, associado a boa tolerância.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools