Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 53-54 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 53-54 (November 2020)
87
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.088
Open Access
RELAÇÃO ENTRE A DEFICIÊNCIA NA TRIAGEM NEONATAL E A FALHA NO DIAGNOSTICO PRECOCE DAS HEMOGLOBINOPATIAS: REVISÃO DE LITERATURA
Visits
...
I.D. Rêgo, R.D.N. Benvindo, M.E.S.O. Araújo, G.L.D. Miranda, A.C.C.F.S. Melo, K.C. Alencar, T.O. Pinto, P.G.L. Gonçalves, M.V.C. Azevedo, A.D.S. Oliveira
Centro Universitário Uninovafapi, Teresina, PI, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Analisar os artigos científicos que abordam a triagem neonatal no Brasil e sua relação com o diagnóstico e tratamento tardio nos neonatos. Material e métodos: É uma revisão de literatura, cuja base de dados utilizada foi o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUSU), PubMed e Scientific Eletronic Library Online (Scielo), utilizando os descritores Anemia Falciforme″, Saúde PúblicaAND Triagem Neonatal. Os critérios definidos para inclusão foram: artigos publicados de 2015 a 2020, em português, inglês e espanhol. Foram selecionados 30 artigos nas bases de dados (PubMed e SCIELO), e após análise rigorosa do material coletado, foram selecionados 20 artigos. Resultados: Conforme estudos da Organização Mundial de Saúde (OMS), 270 milhões de pessoas apresentam genes de hemoglobinas anormais, destas entre 300 a 400 mil nascidos vivos levam os genes da anemia falciforme (Hb S) ou de alguma talassemia grave. No Brasil, devido a miscigenação e a característica assintomática dos portadores, a associação com hemoglobinas variantes, talassemias e enzimopatias foi atenuada. Por tal motivo, o Ministério da Saúde criou a portaria 822/01 que adiciona a Triagem de Hemoglobinopatias na Portaria Nacional de Triagem Neonatal (PNTN). Vale ainda ressaltar, que dentre as hemoglobinpatias a que apresenta-se com maior frequência e maiores prejuízos sociais e econômicos é a anemia falciforme. Discussão: A triagem neonatal consiste em um conjunto de exames realizados em recém nascidos no período de 48 horas a 7 dias após o nascimento. Esse programa está dividido em três fases que contem fenilcetonúria, hipotireoidismo e doença falciforme objetivando rastrear a prevalência das comorbidades em um determinado grupo. Um dos maiores estudos sobre as hemoglobinopatias mostrou a presença de 55.217 indivíduos com os genes testados destes o Hb S teve a maior prevalência, estando presente em 60,95% dos 1.703 casos confirmados sendo seguido pelas talassemias alfas e betas que ficaram com 15,56%. Nesse contexto, ao avaliar os registros de óbito por anemia falciforme no Brasil, no período de 2005 a 2010 alertou a incapacidade do sistema de atenção a saúde de detectar a moléstia, que somado a desinformação sobre a doença por parte da população e dos profissionais da saúde, e o baixo nível sócio-econômico serão fatores preponderantes para a deficiência dessa triagem. Conclusão: Desse modo, e considerando os dados epidemiológicos, os genes Hb S, Hb C e talassemias beta são considerados como obstáculos para a funcionalidade da saúde pública no Brasil. De tal maneira que é necessário a implementação de estratégias básicas de atenção ao neonato para a prevenção e controle objetivando menor mortalidade e aumento da sobrevida.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools