Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 536-537 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 536-537 (November 2020)
904
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.906
Open Access
HTLV COMO FATOR DE RISCO E GRAVIDADE AO COVID-19 - RELATO DE DOIS CASOS
Visits
...
L.G. Carvalhoa, M.E.G. Rochaa, V.M. Chagasa, V.R.S. Juniora, A.Q.M.S. Arouchab, M.C.B. Correiaa, M.F.H. Costaa
a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil
b Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP), Recife, PE, Brasil
Article information
Full Text

O vírus da leucemia de células T de adulto (HTLV) é um retrovírus transmitido sexualmente e através do sangue, endêmico na América do Sul, responsável por infecção crônica em humanos. A maioria dos portadores desconhece sua infecção (10 a 20 milhões de pessoas são carreadores do vírus), e a doença somente se apresenta clinicamente em cerca de 5% (500.000 a 1 milhão). Em momento de pandemia mundial, a identificação dos portadores de HTLV é imprescindível a fim de compreendermos o funcionamento e realizarmos enfrentamento adequado quando houver coinfecção com o COVID-19. Seriam os portadores do HTLV mais vulneráveis aos sinais e sintomas do COVID-19, bem como desenvolveriam sinais da doença mais grave, uma vez que o HTLV causa desregulação na proliferação de linfócitos T CD4 e CD8, bem como uma disfunção imune que predisporia a casos graves de COVID-19 quando em associação com HTLV. Ainda são questionamentos presentes na literatura científica, sendo necessário estudo com maior número de participantes para elucidar essa questão. O objetivo deste trabalho é o de apresentar o relato de dois casos de pacientes portadores de HTLV, que não desenvolveram doença relacionada, mas que foram acometidos de COVID-19. Tratam-se dos seguintes pacientes: sexo feminino, 64 a, com diagnóstico de HTLV há 4 anos, ao apresentar quadro clínico de sarna crostosa, estrongiloidíase e infecção grave secundária as lesões cutâneas. O outro paciente de sexo masculino, 72 anos, portador de HTLV, diagnosticado durante triagem sorológica há 4 anos, sem nunca desenvolver evento clínico infeccioso. Os dois são seguidos regularmente no ambulatório de hematologia e não apresentaram alterações significativas aos hemogramas e bioquímicas de rotina no seguimento. Durante a pandemia atual, os dois pacientes foram contaminados pelo COVID-19, porém os sinais e sintomas de ambos foram leves como coriza, congestão nasal, anosmia e febre. Não houve quadro clínico respiratório (queda da saturação de oxigênio, taquidispneia) e nem necessidade de internamento hospitalar. Os pacientes foram apenas medicados com sintomáticos e os exames laboratoriais não apresentaram exacerbação de linfócitos e não apresentaram desenvolvimento clínico de aspectos das doenças do HTLV (neuropatia ou leucemia) e nem apresentaram outras infecções associadas.Geralmente, ao serem avaliados casos na literatura que relacional covid-19 e portadores de HTLV, ainda os dados clínicos são escassoz e os relatos estão mais relacionados a casos de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV); sendo assim, cabe aos profissionais de saúde aconselhamento de prevenção em relação ao COVID-19, a fim de que os portadores não sejam contaminados, uma vez que ainda não há tratamentos efetivos para erradicação e controle viral quando se abordam questões do HTLV, sendo na maioria das vezes desfechos desfavoráveis com taxas de mortalidade e morbidade bastante elevadas. Neste relato, os casos abordados servem para colocar em evidencia a importancia e a endemicidade do HTLV, porém os questionamentos ainda permanecem como uma lacuna na literatura científica, sendo necessário estudo com maior número de participantes para elucidar essa coinfecção.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools