Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 478 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 478 (November 2020)
804
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.806
Open Access
CAMPANHA DE PREVENÇÃO À TROMBOSE: UMA INICIATIVA DE LIGA DE HEMATOLOGIA E ANEMIAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE JUNDIAÍ
Visits
...
M.M. Vicente, J.G.R. Tavares, I.A. Gheralde, M.S.E.S. Arcadipane, H.A. Lotério
Faculdade de Medicina de Jundiaí, Jundiaí, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O tromboembolismo venoso (TEV) é um distúrbio de coagulação sanguínea que ocorre mais comumente nas veias superficiais da panturrilha, podendo evoluir para trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar. Acredita-se que mais da metade dos pacientes que tiveram um evento de TEV apresente três ou mais fatores de risco. A importância de conhecer os fatores de risco e sua epidemiologia é a melhor,maneira de prevenção primária, evitando assim, os desfechos que podem levar a elevada morbimortalidade. Objetivos: Conscientizar e informar a população do município de Jundiaí sobre a doença, fatores de risco, sinais e sintomas e formas de prevenção. Avaliar as características epidemiológicas e os principais fatores de risco da população estudada. Método: A campanha “Dia da prevenção à trombose”, foi realizada nos anos de 2018 e 2019, em referência ao dia mundial de prevenção à trombose. O local da realização foi em um parque municipal, denominado Parque da Cidade, em um dia no final de semana, momento de maior frequência de pessoas, em período de 7 horas. Participaram estudantes da liga acadêmica da disciplina de Hematologia da FMJ, alunos do segundo ao quinto ano do curso de medicina e dois professores da disciplina. A ação foi previamente estruturada e programada em duas etapas: triagem e aconselhamento. Na triagem foi aplicado questionário para cada participante, preenchido pelo aluno avaliando-se: identificação, comorbidades, medicações em uso, internações prévias, data última avalição laboratorial, antecedentes pessoais, familiares e hábitos. Todos os participantes foram submetidos a avaliação de peso, altura, índice de massa corpórea (IMC), medida da circunferência abdominal, aferição da pressão arterial e glicemia capilar. Na etapa de aconselhamento individual, todos os participantes foram atendidos pelo aluno e pelo professor da disciplina e, após análise de seus dados obtidos na primeira etapa, receberam orientações para minimizar seus fatores de risco. Resultados: Participaram da campanha 254 pessoas, das quais 54% eram do sexo feminino, com idade média de 46 anos. As principais comorbidades relatadas foram: hipertensão arterial sistêmica: 22%, dislipidemia: 21% e diabetes mellitus com 12%. Dentre os entrevistados, 3,9% referiam episódio de TEV prévio. Em relação aos hábitos, 6,3% referiam tabagismo ativo, 65,7% realizavam atividade física, porém 48,4% apresentavam alimentação não balanceada. Dentre as medidas coletadas, 67,0% dos participantes apresentavam IMC maior que 25 kg/m2 (sobrepeso e obesidade), com 38,5% dos participantes com circunferência abdominal alterada (maior que 88 cm nas mulheres e 102 cm nos homens). Discussão e conclusão: É evidente na literatura a associação de fatores de risco como idade, obesidade, tabagismo, coagulopatia, à ocorrência de eventos tromboembólicos. Observamos no presente estudo um número elevado de fatores de risco para esses eventos TEV e entre eles o IMC alterado. Com o aconselhamento individual, observamos que uma grande porcentagem dos participantes tinham pouco conhecimento sobre a doença. Acreditamos que a conscientização da população sobre o que é trombose, principais sintomas e principalmente quais são os fatores de risco e como preveni-los são as principais formas de prevenção primária, uma vez que a incidência dos eventos tromboembólicos vem aumentando progressivamente.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools