Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 474-475 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 474-475 (November 2020)
798
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.800
Open Access
A REALIZAÇÃO DE MESA REDONDA SOBRE O TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA: CONVERSANDO E ENTENDENDO O ASSUNTO
Visits
...
D.Z.F. Alencar, A.V.A. Araujo, E.R. Lima, E.R.M. Gurgel, F.M. Arruda, L.G. Albuquerque, I.S.A. Mesquita, G.B. Lima, L.S. Barros, F.W.R.D. Santos
Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza, CE, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Há décadas, o transplante de medula óssea tem se tornado um procedimento terapêutico mais seguro e eficaz no tratamento de doenças hematológicas potencialmente fatais. Após a escolha desse método, inicia-se uma busca, muitas vezes árdua, por um doador compatível, pois a combinação de genes do doador e do paciente deve ser idêntica (100%) ou muito próxima do ideal (90%). No Brasil, apesar do aumento progressivo no número de doadores de medula, de 1 milhão em 2009 para 5 milhões em 2020, a quantidade ainda é baixa para suprir a demanda nacional de transplantes. São muitas as campanhas realizadas pelo Registro Nacional de Doadores (REDOME), porém motivos, como o medo e a falta de informação, impedem o cadastro de inúmeros doadores em potencial.

Objetivos: Esse trabalho tem como objetivo relatar a experiência vivida por acadêmicos de Medicina em uma mesa redonda composta por doadores e transplantados de medula óssea, buscando esclarecer dúvidas sobre o processo de transplante e incentivar o cadastro para doação.

Relato da experiência: A mesa redonda foi realizada via videoconferência pelo Google Meets, transmitida ao vivo para o público geral pelo Youtube, em março de 2020 com duração de duas horas. A mesa foi composta por um hematologista, um doador de medula e três receptores de transplante. O encontro iniciou-se com 20 minutos para o relato da história de vida de cada um dos participantes. Os receptores de transplante narraram desde o momento de descoberta do diagnóstico até a trajetória percorrida durante o tratamento quimioterápico, a busca por um doador compatível e o transplante. Enquanto o participante doador de medula óssea trouxe sua experiência de ser acionado, do procedimento de coleta e o posterior momento de encontro com o paciente que foi beneficiado com a sua doação. Posteriormente, houve espaço para perguntas e respostas, que poderiam ser direcionadas a todos os membros da mesa. Foi evidente a quantidade de dúvidas acerca do procedimento em si, tanto da doação de medula quanto o processo de transplante, quais os tipos de transplante, quais as pessoas aptas a passar por um transplante e quais os principais riscos do procedimento. Além disso, houve grande interesse em como havia sido as qualidades do cuidado médico com esses pacientes e seu papel no processo de tratamento. Durante a transmissão da mesa, notou-se a participação significativa dos espectadores, com um total de 132 visualizações do conteúdo.

Reflexão de experiência: Por meio da experiência vivida, foi possível refletir a nobreza do gesto de doação e o quanto isso significa para o paciente que recebe o transplante. Ademais, o impacto de uma postura de empatia e cuidado do profissional de saúde na percepção do doente sobre seu processo de adoecimento e tratamento. Observou-se, também, a necessidade da desmistificação do processo de se tornar um candidato a doação de medula óssea entre a população geral.

Conclusão: É evidente que ações como a realizada no presente relato são relevantes no tocante da conscientização da população sobre a questão do transplante de medula óssea, além de retratar a realidade dos pacientes que necessitam de tal tratamento. Desse modo, fomenta-se maior mobilização social diante da causa, visando a popularização do cadastro no REDOME, tornando assim o transplante de medula óssea uma alternativa terapêutica mais acessível.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools