Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 345 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 345 (November 2020)
574
Open Access
PERFIL DE PROBLEMAS IMUNO-HEMATOLÓGICOS IDENTIFICADOS EM AMOSTRAS DE PACIENTES DURANTE A PANDEMIA COVID-19
Visits
...
A.C. Gaspardia, A.S.D.S. Carolinoa, R.L. Silvaa, R.S.M. Toledob, J.L.C. Limaa, F.G. Fujita-Netoa
a Fujisan – Centro de Hemoterapia, Hematologia e Terapia Celular do Ceará LTDA, Fortaleza, CE, Brasil
b H.Hemo, Pacaembu, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A pandemia provocada pelo SARS-CoV-2 impactou significativamente todas as áreas de atuação e principalmente a saúde. Hospitais se adequaram para fornecer melhor suporte e podemos dizer que na terapia transfusional não foi diferente. Apesar do cancelamento de procedimentos eletivos, pacientes que necessitam de transfusões continuaram sendo atendidos e trouxeram desafios tanto na captação de doadores durante o período de crise, quanto nos testes imuno-hematológicos para liberação de hemocomponentes de forma segura. Objetivo: Descrever o perfil de problemas imuno-hematológicos que justificaram investigação no laboratório de imuno-hematologia especializada, em amostras de pacientes que receberam transfusão sanguínea no período de Janeiro de 2020 a Julho de 2020 no Centro de Hemoterapia, Hematologia e Terapia Celular do Ceará (Fujisan). Material e métodos: Foram avaliadas 317 amostras de pacientes, média de 45 mensal (Mín. 32 – Máx. 75) que apresentaram discrepâncias ABO ou reação positiva na pesquisa de anticorpo irregular em tubo (Fresenius). A pesquisa e identificação de anticorpos nas amostras destes pacientes foram realizadas pela técnica de aglutinação em gel LISS/Coombs e NaCl (Biorad), com técnicas complementares como tratamento do soro com Dithiothreitol – DTT (Sigma-Aldrich), aloadsorção e eluição. Resultados: Em comparação com 2019, observamos uma redução de 30% no número de pacientes transfundidos nesse mesmo período. Em contrapartida, o número de casos enviados para investigação imuno-hematológica aumentou em 150%. Dos casos enviados, 172 (54%) foram de pacientes aloimunizados com histórico prévio, 63 (20%) novatos com alo ou autoanticorpos identificados, 47 (15%) casos inicialmente considerados como falso-positivos e 35 (11%) casos inconclusivos. Dos 63 pacientes identificados, 31 (49%) apresentaram um aloanticorpo, 05 (8%) possuíam dois aloanticorpos, 02 (3%) pacientes três aloanticorpos, e 07 (11%) apresentaram associação entre alo e autoanticorpos quente ou frio. Em 18 (29%) pacientes foram encontrados somente autoanticorpos da classe IgM ou IgG. Dos 45 pacientes que apresentaram aloanticorpos, 26 (58%) possuíam anticorpos dirigidos contra antígenos do sistema Rh associados ou não com autoanticorpos. Discussão: Durante a pandemia, apesar da redução no número de transfusões, observamos um aumento significativo no número de amostras com resultados discrepantes e até mesmo inconclusivos nos testes imuno-hematológicos, além de amostras altamente hemolisadas e coaguladas. Embora os meses de pico em Fortaleza-CE tenham sido em Abril e Maio, resultados desse mesmo tipo foram encontrados desde Janeiro de 2020 sem causa aparente. A partir do aumento no número de casos, observamos que a maioria pertencia ao mesmo quadro: infecção pelo coronavírus, uso de hidroxicloroquina e heparina. Dessa forma, não foi possível a resolução da investigação imuno-hematológica em 26% das amostras recebidas. Dos casos solucionados, 58% dos pacientes apresentavam anticorpos dirigidos contra antígenos do sistema Rh. Conclusão: A pandemia nos trouxe diversos desafios e muitas questões que permanecem sem resposta, inclusive na terapia transfusional. Embora o perfil de aloimunização dos pacientes tenha se mantido nesse período, nossa taxa de casos inconclusivos tornou-se alta, necessitando de estudos aprofundados para melhor elucidação da situação atual.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools