Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 108-109 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 108-109 (November 2020)
182
Open Access
PAPULOSE LINFOMATÓIDE TIPO C: RELATO DE CASO
Visits
...
W. Mees, M. Fin, A.B. Medina
Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A papulose linfomatoide (PL) é uma variante rara do linfoma cutâneo de células T (LCCT), neste caso específico das CD30+. A PL tipo C no estudo histopatológico é caracterizada por grandes células anaplásicas e pleomórficas, não desempenhando papel nos mecanismos inflamatórios reativos. Apresenta-se tipicamente com lesões do tipo pápula vermelho-acastanhadas e ao fim do curso da patologia podem surgir cicatrizes com hiperpigmentação. Objetivo: Relatar e discutir o caso de uma paciente com diagnóstico de PL tipo C. Caso clínico: Feminino, 35 anos, admitida em uma Unidade Básica de Saúde com lesão cutânea à esclarecer. Na primeira abordagem, a morfologia do agravo consistia em bordas bem delimitadas, de coloração eritematosa, circunscrita, de crescimento rápido (cerca de 3 meses), indolor e localizada em lábio superior direito. Com a evolução do caso, optou-se pela exérese da lesão concomitantemente com o estudo histopatológico. O resultado do procedimento supracitado evidenciou uma inflamação crônica granulomatosa de corpo estranho, em atividade e organização. Apresentou proliferação histiocitoide/epitelioide atípica, sendo recomendado, então, uma análise imunohistoquímica (IHQ). Os achados da IHQ foram: S100-/CD30+/CD2+/CD3+/CD4+/CD5+/CD7+/CD8-/CD20-/PAX5-/KI47 de 40%, confirmando, dessa forma, o diagnóstico de PL tipo C. No exame físico não apresentava outras lesões e não foi palpada qualquer adenomegalia. Tendo em vista a possibilidade de outros focos neoplásicos, efetuou-se uma tomografia computadoriza (TC) de tórax e abdome, todavia os resultados foram negativos. Após a avaliação especializada do setor oncohematológico de um hospital de referência em Santa Catarina, optou-se pelo seguimento clínico da paciente a qual não apresentou recidivas das lesões até o momento. Discussão: A PL tipo C tem como aspecto epidemiológico o maior acometimento no sexo masculino, numa proporção de 2:1, especialmente a partir da quinta década de vida. Mesmo apresentando histologia com aspecto maligno, seu desenvolvimento é benigno, porém, em alguns casos, pode evoluir para outros tipos de linfoma, como a micose fungoide, o linfoma cutâneo e o linfoma de Hodking. Não existe um algoritmo padronizado no tratamento desse LCCT, de tal maneira que as características clínicas e a experiência do profissional devem ser priorizadas. As opções terapêuticas propostas consistem em corticosteroide tópico, gencitabina, metotrexato em baixas doses, fotoquimioterapia, PUVA terapia, interferon gama, entre outros. No caso descrito a paciente apresentava lesão única, pequena, com ausência de sintomas constitucionais. A exérese para biópsia retirou toda a lesão e até o momento a paciente encontra-se sem novas lesões, não necessitando de tratamento sistêmico. Conclusão: Por ser tratar de uma afecção rara e com poucos casos descritos na literatura, se faz por necessário maiores relatos e/ou estudos para uma padronização do seu tratamento. É importante lembrarmos que lesões cutâneas atípicas requerem uma investigação complementar mais elaborada para confirmação do diagnóstico, visto que existe um potencial de malignização da doença.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools