Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 66 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 66 (November 2020)
108
DOI: 10.1016/j.htct.2020.10.109
Open Access
FISIOTERAPIA NA HEMOFILIA APÓS SINOVECTOMIA RADIOATIVA: RELATO DE CASO
Visits
...
C.D.S.S. Silvaa, L.M. Glóriab, N.D.S.S. Ramosa, S.R.B. Rodriguesa, D.B. Ferreiraa, R.M. Bentesa
a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (HEMOPA), Belém, PA, Brasil
b Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Verificar os efeitos da fisioterapia no paciente com hemofilia A grave, após o procedimento de Sinovectomia Radioativa (SR). Relato do caso: Paciente do sexo masculino, 12 anos de idade, com diagnóstico de hemofilia A grave, sofreu ao longo dos anos muitas quedas e traumas diretos em articulações e músculos, principalmente jogando bola, totalizando 18 traumas diretos de 2009 a 2017. Além disso, apresentou hemartroses espontâneas em joelhos, tornozelo direito e cotovelos e devido histórico de hemartroses recorrentes nos joelhos, após exames específicos, levou ao diagnóstico clínico em 2014 de sinovite crônica bilateral de joelho. Foi primeiramente encaminhado para fisioterapia e depois para procedimento de SR, que só foi realizado 4 anos depois. O paciente voltou para o serviço de fisioterapia um mês após ter realizado o procedimento, onde foi avaliado pela equipe. Materiais e métodos: Verificou-se a saúde articular dos joelhos pelo Hemophilia Joint Health Score 2.1 (HJHS). Foi avaliado também a amplitude de movimento (ADM) pela goniometria, bem como inspeção e palpação. Em seguida, submeteu-se o paciente a um protocolo fisioterapêutico, duas vezes por semana, com duração de 50min, que consistiu em: ionização, ultrassom pulsado, alongamentos, mobilizações, exercícios ativos livres e por fim, exercícios resistidos, transferência de peso, reeducação postural e treino de marcha. Resultados: Na avaliação inicial, verificou-se presença de edema no joelho direito, grau de força muscular 3 (segundo escala de Oxford), limitação da ADM ativa para extensão do joelho direito (30 graus), pé em pronação, joelho direito valgo, membro inferior direito menor em relação ao esquerdo, patela imóvel, dor intra-articular, marcha claudicante e sem auxílio e escore na HJHS de 13 pontos. Inicialmente, realizou-se a correção postural do paciente, com a prescrição de uma palmilha para correção de pé pronado. Após 12 sessões de fisioterapia, realizou-se a avaliação final, paciente ainda apresentava edema, porém discreto, melhora da ADM para extensão ativa do joelho direito (8 Graus), melhora da força muscular (grau 4), ajuste postural do pé pronado, patela levemente móvel, sem queixas álgicas e melhora significativa da marcha, sem novos históricos de queda. Não houve melhora na diferença dos membros inferiores e no joelho valgo. Discussão: Segundo dados da literatura o procedimento de SR é comprovadamente eficaz na redução da sinovite crônica, entretanto, não tem efeito sobre a força ou resistência muscular, amplitude de movimento, coordenação ou condição física do paciente em geral, fatores essenciais na manutenção da qualidade de vida do hemofílico, o que demonstra a importância da fisioterapia pós procedimento. Além disso, os estudos sugerem que o exercício resistido aumenta o nível de fator circulante no sangue, auxiliando na redução dos sangramentos, no aumento da força muscular e prevenção de deformidades. Conclusões: podemos observar que o paciente em questão apresentou melhora com o tratamento da fisioterapia, ajudando no aumento da amplitude articular do membro inferior direito e melhora da deambulação e por conseguinte da postura, sem novos episódios de queda ou novas hemartroses.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools