Journal Information
Vol. 42. Issue S2.
Pages 353-354 (November 2020)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 42. Issue S2.
Pages 353-354 (November 2020)
591
Open Access
AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE HEMOGLOBINA GLICADA (HBA1C) EM DOADORES DE SANGUE DE PRIMERIA VEZ POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (HLPC)
Visits
...
S.T. Alves, A.C. Cruz, S.C. Sales, T.S. Furuko, J.S.R. Oliveira
Hospital Santa Marcelina, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Objetivos: Analisar em doadores de sangue a % de hemoglobina glicada e o perfil entre os que apresentaram resultados acima do valor de referência. Em nosso serviço, para pesquisa de hemoglobinas anormais utilizamos HPLC (cromatografia líquida de alta performance); esse método também mostra a % de hemoglobina glicada (HbA1c) que avalia os níveis médios da glicose nos últimos 2–3 meses. Material e métodos: Analisamos a % de HbA1c nos doadores de 1ªvez entre 01/12/2019 a 07/12/2019. Destes, os resultados alterados foram analisados quanto ao sexo, idade e índice de massa corpórea (IMC). Resultados: No período, amostras de 505 doadores de 1ª vez foram submetidos à HPLC, o valor de HbA1c de referência é abaixo de 6%. Houve 147 amostras alteradas (29,1%), 73 masculinos (49,7%) e 74 femininos (50,3%). Entre esses 147 doadores, o valor de HbA1c variou de 6,0%–13,8%, a maioria dos doadores ficou entre 6%–6,4% (129; 88%), entre 6,5–7,0 houve 10 (7%) doadores, entre 7,2%–8,8%, 5 (3%) e 3 doadores masculinos (2%) entre 10,2–13,8. Por idade, a distribuição entre os doadores com HbA1c alterada foi: 3 doadores < de 18 anos (2%), 42 entre 18–29 anos (29%), 40 entre 30–39 anos (27%), 37 entre 40–49 anos (25%), 21 entre 50–59 anos (14%) e 4 doadores entre 60–70 anos (3%). O IMC variou de 17 a 54, sendo que 2 doadores tinham IMC menor que 18,5; 46 (31%) tinham IMC normal entre 18,5–24,9; com IMC entre 25–29,9, na faixa de sobrepeso, 60 (41%); com IMC entre 30–34,9, obesidade grau I, 21 (14%), com IMC entre 35–39,9, obesidade grau II, 12 (8%); com IMC entre 30–34,9, obesidade grau III ou mórbida, 6 doadores (4%). O doador com o maior IMC, 54, pesava 154 kg, altura 1,68 m, feminino, HbA1c 6,5%, e no dia da doação pressão arterial 130/80 mmHg, sem relatos de morbidades na triagem. Entre os 18 doadores com hemoglobina glicada igual ou maior que 6,5% apenas um tinha IMC normal de 22, outros 9 (50%) estavam com sobrepeso, 4 obesidade grau I, 1 obesidade grau II e 3 obesidade grau III. Durante a triagem dos 147 apenas 1 doador mencionou diabetes mellitus em uso de metformina, outros 115 doadores (78%) não mencionaram patologias, 11 (7%) citaram hipertensão com ou sem associação a outras doenças, 6 doadores (4%) referiram problemas de vesícula biliar, varizes ou joelho, 3 doadores (2%) hipotireoidismo, 2 (1%) outras patologias, e 8 mulheres (5%) citaram uso de anticoncepcional. Discussão: Uma série de exames são realizados no sangue doado, entre eles, pesquisa de hemoglobina S, e cada banco de sangue escolhe o método. Uma das opções é cromatografia líquida de alta eficiência – CLEA ou HPLC (High Performance Liquid Cromatography) capaz de analisar as hemoglobinas, inclusive a hemoglobina glicada. Hemoglobina glicada é um conjunto de substâncias formadas entre a hemoglobina A (HbA) e alguns açúcares. HbA1c é encontrada em adultos não diabéticos na proporção de 1% a 4%, os valores normais de referência vão de 4% a 6%. HbA1c > 7% está associada a risco maior de complicações. Neste estudo, entre os doadores com taxas mais altas de HbA1c, encontramos índice maior de IMC e patologias associadas as síndromes metabólicas. Conclusão: A automatização dos exames com múltiplos parâmetros traz desafios no manejo dos doadores de sangue. Testes de triagem tem alta sensibilidade e especificidade menor, podendo gerar falso-positivo, por outro lado, a identificação de doadores com potencial risco a saúde possibilita adoção de medidas de prevenção.

Idiomas
Hematology, Transfusion and Cell Therapy

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools